Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 295
Data:
30/11/2001
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1300414 vezes
» Índice
» Editorial
Um peso, duas medidas
» Turismo
Uma viagem de sonho é o que proporciona o Explorer of the Seas, o maior navio de cruzeiro do mundo
» Paladar
Uma visita fantástica à região de Champagne, coração dos mais famosos vinhedos do mundo
» Autos
Ferrari 360 Spider sai da fábrica de Maranello com motor V8, 400 cavalos e 8500 rpm
» Triangulo
Gratz surpreende adversários ao apoiar a lei que extingue a imunidade parlamentar
» Boca Miuda
Sueli em campo
Paladar

Beber champanhe aqui é como dançar valsa em Viena. Estamos, sem evitar os superlativos, no coração dos mais famosos vinhedos do mundo.  
 
Seis da manhã sem falta no aeroporto, dizia o convite. A hora era um tanto inconveniente, mas a visita à região do champanhe, ainda que meteórica, prometia ser uma experiência interessante e proveitosa sobretudo para os sentidos. Pousamos no aerodinâmico aeroporto Charles de Gaulle que confirma a exuberância visual da arquitetura de Norman Foster. Caímos em Paris dentro de um frio cortante. Dois restauradores juntam-se à excursão. Um mini-bus, bem mignon, conduz-nos a Épernay onde saboreamos um almoço num restaurante tipicamente francês, bem regado a champanhe.  
Claro, champanhe. Beber champanhe aqui é como dançar valsa em Viena. Estamos, sem evitar os superlativos, no coração dos mais famosos vinhedos do mundo. Os números são impressionantes: 30 mil hectares de vinha, 200 milhões de garrafas nos 100 quilômetros de caves que se estendem debaixo dos nossos pés. Com as encostas cobertas dos castanhos outonais, a monótona paisagem de cepas baixas e despidas não me pareceu especialmente entusiasmante. Mas o que importa isso, se as bolhas daquele vinho prodigioso, de que são a matriz, transmitem uma alegria contagiante? A cidade, brutalmente bombardeada nas duas últimas guerras, conserva ainda alguns vestígios arquitetônicos do passado. Na Avenida do Chamapnhe, bordada de construções do século XIX de estilo renascentista e neoclássico, concentram-se as famosas maisons. Entre os edifícios é de se destacar a Orangerie, projetada no Primeiro Império pelo pintor Jean-Baptiste Isabey. Tem este nome porque servia para abrigar, os rigorosos invernos, as laranjeiras da Moet & Chandon. Alamedas simétricas, harmonia de linhas e volumes, reflexos de água, esculturas vegetais. Frente a frente, os palácios de Chandon e Trianon ilustram o gosto de uma época.  
Belas adormecidas - Além da agricultura, que ocupa mais de 30% da superfície útil, a região se beneficia ainda das vantagens do turismo trazido pelo champanhe. Iniciemos a visita guiada. Na penumbra das galerias subterrâneas dormem um sono profundo de belas adormecidas as garrafas do Moet & Chandon. De repente, surgem efeitos fantásticos de caráter museológico no traçado da geometria. As instalações, de fazer inveja a qualquer artista de vanguarda, existem realmente, mas as pinturas arqueológicas das paredes, as supostas abstrações de Tapiés e as esculturas astecas, são produtos da imaginação. Pensamos nas operações de alquimia que ali decorrem. Nos segredos que escondem aquelas caves labirínticas e misteriosas onde se acoitavam os membros da resistência contra a ocupação nazista. Mãos experientes rodam todos os dias as garrafas, colocadas em estantes de madeira com o gargalo levemente inclinado para baixo, durante cinco a seis semanas. “Doucement”. É isto a “remuage”.  
Temperatura constante - Após o envelhecimento num ambiente de humildade e temperatura constantes, os ímpetos e os aromas contidos pela rolha de cortiça fixada por um açaimo metálico, o vinho já “feito” entra nos circuitos comerciais, enfeitado com o rótulo e a gravata que indicam a categoria a que pertence.  
De novo, o champanhe a fervilhar nas flutes. Estamos numa sala acolhedora onde há fotografias de visitantes ilustres que suscitam alguma curiosidade. Kim Novak e Gary Grant, e em preto e branco, destilam aquela sedução das estrelas de Hollywood. Tão vedete como este par místico cinematográfico só a garrafa de Moet & Chandon que assoma no frappé. Mas voltemos ao princípio, às cepas prodigiosas com as raízes fincadas no solo calcário desde a época terciária. Champanhe que se preze só admite três castas. A chardonay, que lhe fornece frescura e vivacidade, a pinot noir, que lhe confere o sabor frutado e a pujança, e a pinot meunier da qual recebe o “arredondamento”. Cumprem-se os ciclos, ano após ano. Apesar dos granizos, das tempestades e das geadas tardias, a videira floresce e o fruto consegue vingar. Finalmente, em setembro, quando a uva exposta ao langor do sol estival já ganhou açúcar, processa-se a vindima manual, executada pelos hornons, que são equipes de 40 colhedores. Seguem-se as fases da prensagem e da classificação do vinho.  
Rosés e millésimés - Infelizmente passamos ao lado, como cão em vinha vindimada, da catedral de Notre-Dame de Reims. Com a classificação de patrimônio mundial, edificada no início do século XII, é uma obra-prima absoluta do gótico. Aqui foi batizado Clóvis, o rei dos francos, no período das invasões bárbaras. Que pena não pararmos para admirar a célebre escultura do Anjo Sorridente que ornamenta a porta lateral da fachada deste imponente templo. Ficamos alojados no Hotel Royal Champagne onde se abarca uma magnífica panorâmica dos vinhedos de Épernay. Mantém o charme antigo e oferece uma apuradíssima cozinha. Para não falar da soberba adega onde se destacam cerca de duas centenas de brutos, rosés e millésimés excepcionais. Um jantar opíparo, uma orgia de champanhe. Lá fora, o vento rugia furioso, parecendo querer levar tudo pelos ares.  
Assemblage. Eis uma palavra sonora que remete para o léxico da produção artística. Significa que os vinhos de cada cru são avaliados, degustados e classificados, para que o chefe da maison e seus enólogos possam estabelecer as proporções da mistura com as reservas dos anos anteriores. Quanto mais extenso for o leque de escolhas, melhor se poderão combinar e harmonizar as múltiplas expressões das uvas. Na perícia criativa da assemblage reside o segredo dos grandes champanhes. Depois de selecionadas, as cuvées são postas nas caves para que o tempo exerça a sua ação de demiurgo. As leveduras que contribuíram para a efervescência ou prise de mousse libertam substâncias aromáticas. Esta segunda fermentação é vital na elaboração do champanhe. Deste “vinho de fresca espuma que é a imagem brilhante dos franceses”, como escreveu o iluminado Voltaire com alguma petulância.  
Pomba profética - Debaixo de uma chuva impertinente, visitamos a abadia de Hautvilliers, fundada por S. Nivard. Diz a lenda que uma pomba profética lhe indicou o lugar onde devia fundar o mosteiro. Na igreja, decorada com pinturas setecentistas e oitocentistas, admiramos a capela de Santa Helena e o túmulo de Don Pierre Pérignon, o célebre monge envolvido em diversas experiências que seriam determinantes no percurso do champanhe. Durante o almoço no Petit Trianon, juntamente com as divinais iguarias, tivemos oportunidade de apreciar várias categorias de champanhe Moet & Chandon, evidentemente.  
Dois séculos e meio - Sob a bandeira desta maison, forjou-se um vinho com dois séculos e meio de história. Tudo começou com Claude Moet, um negociante de vinhos oriundo de uma família da região de Épernay. Assiste-se a um progresso no domínio comercial com Jean-Marie Rémy, neto do fundador que abriu caminho nos mercados europeus. A casa passa a chamar-se Moet & Chandon quando este homem empreendedor entregou em 1832 a administração da firma ao filho Victor Moet e ao genro Pierre-Gabriel Chandon. Servido nas ceias galantes de Louis XV e da poderosa Marquesa de Pompadour, um monumento de mulher, entre cabeleiras empoadas, frous-frous de veludos e rendas, o champanhe conquistou mais tarde Josefina e Napoleão, que nas suas habituais expedições pela estrada de Reims costumavam visitar o amigo Jean-Marie Rémy. Para selar essa ligação, a título de homenagem, nasceu o Brut Imperial. Elogiado por escritores como Goethe e Diderot, o champanhe animou os salões literários da madame Stael e foi consumido sem moderação nos anos loucos e trepidantes da Belle Époque.  
Moda internacional - Atualmente, por razões lógicas, o Moet & Chandon introduziu-se nos ambientes da moda internacional. Integrado no grupo Moet Henessey-Louis Vuitton que possui algumas das mais famosas marcas de roupa, acessórios e perfumes como Dior, Guerlain, Lacroix ou Givenchy, é neste momento líder mundial do champanhe. Frívola, cintilante e efêmera, a moda condiz lindamente com as bolhas. Meret Oppenhein, artista e musa do movimento surrealista, ousou aparecer com uns esquisitos brincos que eram rolhas de champanhe. O revivalismo deste motivo estético reapareceu em 1980 com os acessórios concebidos por Sthepen Jones, exatamente para um Don Pérignon Millésimé

  










Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.