Vidabrasil circula em Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo Edição Nº: 314
Data:
15/9/2002
Capa | Edições anteriores| Assine já | Fale com a redação
Página visitada: 1446369 vezes
» Índice
» Editorial
Quem vai governar o Brasil?
» Foco
Rumo à Fórmula 1  

» Turisnotas
Visita ao Museu de Cera e ao Palácio de Buckingham são opções de programas em viagem a Londres
» Turismo
Visita ao Museu de Cera e ao Palácio de Buckingham são opções de programas em viagem a Londres
» Saúde
Além dos riscos à saúde, saiba porque os economistas declararam guerra à gordura em excesso
» Boca Miuda
Orçamento Geral da União prevê a aplicação de R$ 50 milhões na ampliação do aeroporto de Vitória
» Triângulo
Nilo Martins vende sua parte no Yahoo e volta-se para a consultoria de comunicação e investimentos imobiliários
Saúde

O ditado popular “gordura é formosura” já saiu de moda há muito tempo. Primeiro, foram os médicos a alertar para o perigo das gordurinhas a mais na saúde. Agora é a vez dos economistas dizerem de sua justiça. É que os custos das empresas com os obesos estão atingindo proporções alarmantes. Nos Estados Unidos, onde 60% da população é obesa ou tem excesso de peso, foram gastos no ano passado 244 milhões de dólares com essa doença.  
Estes são os resultados de um estudo apresentado pela Associação Americana de Obesidade, que apontou as grandes cadeias de “fast-food” como responsáveis pelo aumento do problema nos últimos anos. Algumas empresas do ramo alimentar e de refrigerantes estão reformulando as suas campanhas de ‘marketing’. Para grande espanto de muita gente, estas empresas estão pedindo aos clientes para consumirem menos. O objetivo é combater a obesidade infantil antes que a doença atinja dimensões dramáticas na próxima geração.  
A McDonald’s promove junto dos seus fãs os benefícios de uma alimentação saudável. Daí o fato de a empresa dos hambúrgueres mais famosos estar incluindo nos seus menus saladas e leite como uma alternativa de refeição mais saudável. A preocupação da McDonald’s em alertar os consumidores para os benefícios de uma alimentação variada e equilibrada. Há vários anos que a empresa divulga a informação nutricional dos seus produtos. “Tentamos incluir nos nossos menus ingredientes variados como os vegetais e o leite, bem como produtos com menos calorias. Mas isso não é novidade, pois nos EUA as saladas já existem há 25 anos”, diz um representante da empresa.  
Pagando dobrado – Não são porém, só as empresas de alimentos que enfrentam problemas por causa da obesidade. Veja o caso da transportadora aérea Southwest Airlines, que andou na boca do mundo ao anunciar que vai cobrar o dobro do bilhete normal aos passageiros de tamanho mais avantajado. Muitas empresas de aviação civil não têm lugares preparados para os mais volumosos. E a medida, apesar de impopular, é para seguir em frente: sempre que o passageiro tenha uma cintura que ultrapasse o espaço entre os braços do assento do avião, tem de pagar dobrado. Esta decisão surgiu em consequência das inúmeras queixas que a Southwest Airlines recebeu nos últimos tempos. Cerca de 90% das reclamações são de clientes que vêem o seu espaço invadido por companheiros de viagens mais corpulentos.  
O meio empresarial ainda não conseguiu arranjar solução para os problemas criados pela obesidade. O custo que os funcionários obesos acarretam para as companhias é alto. Os empregados de maiores dimensões são menos produtivos – não por preguiça, mas por questões de saúde. O rol de doenças que a obesidade pode trazer é extenso (ver box). Estudos médicos revelam que um obeso tem cerca de 67% mais probabilidades de sofrer uma doença crônica do que uma pessoa com peso normal. Diabetes, câncer, problemas cardiovasculares e respiratórios são apenas algumas doenças próprias de quem sofre de peso a mais. As consequências estão à vista: em 1994, os americanos gordos tiveram que recorrer a 62,6 milhões de consultas médicas. Quem perde são as empresas que têm de dispensar os trabalhadores para irem ao médico. E tem mais: como os obesos não podem executar todas as tarefas, isso acaba por refletir-se na quebra de produtividade das empresas.  
Uma epidemia – Contudo, as maiores dores de cabeça pertencem aos sistemas de saúde. Isto porque a grande fatia de despesas provenientes da obesidade advém dos tratamentos médicos e remédios usados para combater aquilo que a Organização Mundial de Saúde já considera uma epidemia. Os números não enganam: uma pessoa com excesso de peso gasta mais 77% em medicamentos do que um indivíduo saudável.  
Cerca de 300 mil pessoas morrem todos os anos com doenças provocadas pelo excesso de peso – é a segunda causa de morte nos EUA. São números assustadores e que não param de crescer. Estima-se que 10% dos orçamentos para a saúde dos países ocidentais é gasto com problemas causados pelo excesso de gordura.  
Embora o cenário não seja tão dramático, já é preocupante. E o futuro não é promissor. Desde o princípio do século XX que a obesidade não tem parado de aumentar e, se considerarmos as previsões dos especialistas, estamos caminhando para um mundo de gordos


Epidemia – Estima-se que 1,2 milhões de adultos em todo o mundo tenham peso a mais. A economia ressente-se
Doença cara – Dez por cento das despesas de saúde dos países mais ricos têm a ver com a obesidade
Estratégia – As empresas de “fast food” passaram a promover uma dieta saudável
Alimentação – A comida rápida e o sedentarismo são grandes responsáveis pelo aumento da obesidade nos países desenvolvidos
Alimentação – A comida rápida e o sedentarismo são grandes responsáveis pelo aumento da obesidade nos países desenvolvidos
Futuro – Desde o início do século XX que a obesidade aumenta. Caminhamos para

Copyright © 2001, Vida Brasil. - Todos os direitos reservados.